"Toda memória de um homem é sua literatura particular"

domingo, 31 de maio de 2015

Clarice, uma vida que se conta

Geralmente acho as biografias chatas, desinteressantes, saber da vida dos outros sempre nos leva a um tom de fofoca, pois percebemos que muito é parecido com nossas vidinhas bestas, portanto, acabamos por ler biografias só pela confirmação da vidinha besta que todos temos...
Mas ler Clarice é ler o íntimo, é ler o âmago... e a vida  de Clarisse foi assim... intenso pensamento, intensa dor de viver. Ler a vida de Clarice é quase o mesmo que ler sua obra... é profundo.
Nadia Gotlib foi muito sensível em destacar essa profundidade e essa dor de viver nessa biografia.
A autora mostra que conforme passavam-se os anos na história contada de forma linear, a agonia das não respostas e a chegada da morte causa no mínimo angústia, sentimento que é revelado em sua última obra "Um sopro de vida". Obra extremamente complexa, atemporal e antiespacial, porem, motivo de outra resenha. O sentimento contagia o leitor que ao terminar o livro, sente morrer um pedaço de si próprio.
Sou meio suspeita pra falar sobre Clarice, e sempre quero contagiar a todos com sua inteligencia, portanto, junto com esta pequena resenha, deixo também a lista de obras dessa fantástica autora.

Romances:
Perto do Coração Selvagem, RJ, A Noite, 1944.
Lustre, RJ, Agir, 1946.
A Cidade Sitiada, A Noite, 1949.
A Maçã no Escuro, RJ, Francisco Alves, 1961.
A Paixão Segundo G.H., RJ, Francisco Alves, 1964.
Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres, RJ, Sabiá, 1969.
A Hora da Estrela, RJ, José Olympio, 1977.

Contos e crônicas:
Laços de Família, RJ, Francisco Alves, 1960.
A Legião Estrangeira, RJ, Ed. do Autor, 1964.
Felicidade Clandestina, RJ, Sabiá, 1971.
A Imitação da Rosa, RJ, Artenova, 1973.
A Via-Crucis do Corpo, RJ, Artenova, 1974.
A Bela e a Fera, RJ, Nova Fronteira, 1979.

Literatura infantil:
Mistério do Coelho Pensante, RJ, J. Álvaro, 1967.
A Vida Íntima de Laura, RJ, Sabiá, 1974.
A Mulher que Matou os Peixes, RJ, Sabiá, 1969.
Quase de Verdade, RJ, Rocco, 1978.

Nenhum comentário:

Postar um comentário