"Toda memória de um homem é sua literatura particular"

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Podem falar de quem e como quiser: biografias liberadas!

Ontem, conforme a notícia de muitos jornais, o Supremo Tribunal condenou, por unanimidade, a censura prévia sobre biografias. A ANEL (Associação Nacional de Editores de Livros), está lutando por esse direito desde 2012, e agora se vê democraticamente favorecida, com a possibilidade de liberar várias biografias que estavam vetadas por pedido de familiares dos famosos retratados, como é o caso do livro "Estrela solitária - um brasileiro chamado Garrincha" de Ruy Castro, ou a biografia de Raul Seixas que está sendo escrita por Edmundo Leite.
Até agora, os autores de biografias dependiam da permissão dos parentes para a publicação da obra. Hoje, com a liberação, não mais:
Pode-se falar de quem quiser e como quiser!!!!
Viva a democracia!!!
Parabéns aos historiadores de vidas alheias que agora podem expor no ventilador todo o podre que não seja seu!!!
Biografia: (do latim) Bio - vida, grafia - escrita. Escrever sobre a vida, mas porque necessariamente da vida do outro? Oras! Porque vende muito mais! Falemos de Raul Seixas, de Roberto Carlos, livremente e legalmente, sem medir as palavras ou o limite de respeito aos que estiveram mais próximo de quem se fala!!! O importante é falar... e vender.
Nunca gostei de biografias, principalmente aquelas que não são escritas pela própria pessoa, mas mesmo assim, as de própria autoria, acho-as de um narcisismo incomum.
Falar sobre a obra, sobre os feitos, sobre os estudos, isto é uma coisa, apesar de também esses episódios fazerem parte da vida dos biografados, mas saber de suas intimidades, como se fosse um grande Big Brother, é mesquinho e capital.
Salvo algumas poucas boas biografias que existem por aí, sinto muito, mas a lei não me compra como leitora!
Boas escritas pra quem é de bem escrever! Boas leituras para quem é de bem ler!

Um comentário: