"Toda memória de um homem é sua literatura particular"

sábado, 12 de setembro de 2015

Conto "A esperança é a última que morre" de Ana Paula N. S.

Oie, leitores!!!
Como havia comentado no começo do bimestre, levei alguns projetos do mundo virtual para a realidade da sala de aula, e um deles foi o "Apertando a tecla" da minha amiga blogueira Marina (o projeto está todo explicadinho lá no blog dela www.naestradadafantasia.com.br.), e o tema do mês de setembro foi "baseado em fatos reais". Joguei a ideia pra minha oitava série.
Um dos fatores que me fizeram sumir por uns tempos do blog foi a correção de tantos contos, mas qual não foi minha surpresa em ler coisas tão fantásticas!!!! E se querem saber, o mérito é todo da molecada, pois há 3 anos que vêm lendo vorazmente os livros da nossa biblioteca móvel, e a influência de alguns autores como Jonh Green, ou romances como "Carta de Amor aos Mortos", é visivelmente identificado. Eu queria trazer um exemplo dessas produções aqui pro blog. Pra mim, um dos melhores contos foi o da Ana Paula que permitiu a publicação dele aqui, portanto, aí vai:

A esperança é a última que morre

Sentado na grama ainda molhada, Robert se vê sorrindo ao olhar sua aliança. Ao fechar os olhos, sua vida começa a passar como um filme em sua mente, mas que pausa toda vez que ele decide mergulhar mais fundo em suas lembranças: a de seu casamento e, principalmente dela...

A minha menina, mas que também surpreendia com suas atitudes de mulher, demonstrando sua maturidade, que me deixava ainda mais apaixonado.
Quando seu lado menina se aflorava, meu dia sempre melhorava. Nunca havia visto Linda desanimar, mesmo depois de tudo o que passamos, ela andava com aquele sorriso radiante de menina, minha pequena menina...
Em nosso casamento, Linda fez questão de cuidar de todos os detalhes. estava tão animada que, nem mesmo quando seu vestido teve que ser arrumando várias vezes por falta de peso, minha menina não se deixou abater, continuou radiante como sempre.
Eu estava anestesiado de tanta alegria, nosso casamento foi perfeito. Eu a acompanhei na festa e não a larguei nem por um minuto, por medo de que isso tudo fosse apenas um sonho. Cantei para Linda com ajuda de alguns amigos. Minha menina ficou muito emocionada, mas teve que se sentar, pois já estava muito cansada. Faria tudo de novo para rever aquele sorriso radiante. Ela estava linda com seus cabelos caramelo para frente, cobrindo seus ombros, em seu vestido tomara-que-caia... que vestido, Ual! Linda estava perfeita para mim.
Nossa Lua de mel foi mais que perfeita. Me lembro de todos os detalhes como se fosse hoje. Com minha pequena ao  meu lado, tudo ficava melhor...Linda era meu mundo. Sem ela o mundo não teria cor e nem sentido.
Antes de voltarmos, havia ligado para Nicole para pedir que arrumasse a casa onde eu e Linda iríamos morar. Sabia que Nicole iria fazer um bom trabalho, por isso deixei tudo nas mãos dela.
Quando eu e Linda chegamos no aeroporto, seguimos de limousine o resto do caminho. Linda adormeceu em meus braços, então quando chegamos, a levei para o quarto e fui ao escritório resolver algumas pendências do trabalho.
Meia hora depois fui ao quarto. Minha menina ainda estava adormecida. Decidi me juntar a ela. Tirei a roupa e me deitei na cama, puxei minha menina para meus braços e adormeci vendo-a dormir... De manhã acordei sentindo a falta do calor de Linda. Levantei assustado, fui ao banheiro e sentei-me perto do vaso sanitário chorando. Me aproximei e vi que o vaso estava cheio de sangue. Entrei em pânico, mas logo me acalmei, pois não queria ver minha menina doente. Assustado comecei a dizer que a amava e que iríamos a um médico e que não era nada com que se preocupar e peguei-a no colo para dar-lhe um banho. Coloquei-a na cama e ela adormeceu e decidi não a incomodar, queria que Linda se acalmasse primeiro... e dormi vendo-a dormir.
Duas semanas se passaram, Linda ainda não tinha procurado um médico, estava estranha e não havia melhorado. As coisas estavam ficando cada vez piores. Linda não estava comendo direito e isso só estava fazendo-a perder peso. Vomitava sangue, acordava de madrugada e não conseguia dormir mais. Então abordei-a e perguntei o que estava havendo e por que estava se afastando de mim, logo de mim, que a amava mais que a mim mesmo e me arrependi logo de cara da minha pergunta: Linda começou a chorar. 
Meu Deus! Meu coração se quebrou. Eu não sabia o que fazer. Puxei-a para meus braços e percebi que Linda estava tensa, mas logo se acalmou e decidi tentar perguntar novamente com mais calma: Segurei seu rosto, acariciei-o, limpei suas lágrimas e perguntei novamente. Linda olhou em meus olhos e disse que havia procurado um médico às escondidas e me disse em lágrimas.
Meu Deus! Eu a puxei novamente em meus braços e beijei seus cabelos. Levei-a a um sofá e coloquei-a para dormir em meu colo, depois coloquei-a na cama e sentei na beirada, olhando para meu anjo, acariciei seu rosto: minha menina, minha vida...
Meu Deus! Como pode fazer isso comigo? E percebi que pela primeira vez eu estava sendo amaldiçoado e me vi chorando. Como pode? Quando me apaixono pela primeira vez, Deus leva meu amor para longe? Como pode haver um Deus que justamente comigo não é justo e está levando minha menina para longe de meus braços? Naquela tarde não consegui dormir.
A primeira semana passou... Linda já havia procurado um médico. Um nês depois minha menina havia voltado a ser a mulher que eu amo tanto... Após uma semana, Linda veio em lágrimas me pedindo para cortar seus lindos cabelos. Eu hesitei, mas minha menina insistiu, então cedi. Nos momentos que caíram os primeiros fios de cabelo, Linda havia ficado imóvel, mas depois caiu em um rio de lágrimas. Segurei seu rosto em minhas mãos e disse que isso não iria mudar em nada sobre o que eu sentia por ela e que ela sempre iria ser minha menina, minha vida.
Três semanas depois Linda estava internada, pois teve hemorragia. 
Fiquei aflito... Deus, proteja minha menina! Meu peito doía de tanta angústia, minhas mãos suavam, de repente, sinto alguém apertando meu ombro direito, olho pra cima e vejo que era o doutor Lucas que estava atendendo minha esposa. Me levanto depressa. Ele sorri... Suspiro de alívio pois percebo que a cirurgia correu tudo bem, mas o médico me puxa para um longo abraço e fico confuso no começo, mas percebo que ali havia perdido a mulher de minha vida, minha pequena, meu amor, meu tudo... Minha voz não saía, não conseguia enxergar direito. 
Depois de um tempo sou acordado de minhas lembranças por um aperto no ombro direito.
Um menino de cabelos loiros, parecido com um anjinho, me olha e se senta ao meu lado e começa a brincar com uma vareta e de repente ouço uma voz suave me dizendo:
- A alma é eterna, e nem tudo está perdido!
Fico confuso com suas palavras, olho para perguntar, mas vejo que o jovem garoto já havia ido embora, mas que havia deixado um pequeno envelope sem remetente na grama. Peguei-o e senti que o vento tinha um cheiro familiar. Espantado olho para os lados, mas não havia ninguém na praça. Decidi ler a carta. 
Na carta dizia...

"O verdadeiro amor não tem fim. Não existe um ponto final, porque o que Deus uni e abençoa, ninguém separa!
Podemos estar separados fisicamente, mas o nosso amor é como o vento, não posso tocá-lo, mas posso senti-lo. Não posso vê-lo, mas sinto-o.
Atenciosamente
Sua menina"

Seu coração se regojizou e ali percebeu que nem tudo estava perdido, porque no fim, tudo vai dar certo. Se não deu certo, é porque ainda não chegou ao fim.








E então, o que acharam? Emocionante, não? Parabéns, Aninha! Vejo um futuro brilhante diante de você!!!
Boas Leituras a todos!


9 comentários:

  1. Lindo. Muito emocionante e tenho certeza que ela tem um futuro brilhante pela frente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, Dri!!!

      Lindo e emocionante mesmo, não?
      Obrigada pela visita e Boas Leituras!

      Excluir
  2. Muito bom Ana ! Estamos na expectativa de outros mais! Parabéns a você Fabiana que tanto trabalha para fazer nascer em seus alunos a paixão pela literatura.!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!! Tô aqui parecendo um pombo rulhando de orgulho da Ana! As vezes a utopia se concretiza e ver a literatura nascer da cabeça e do coração da criançada é sensacional!
      Obrigada pela visita e Boas Leituras!

      Excluir
  3. Muito bom Ana ! Estamos na expectativa de outros mais! Parabéns a você Fabiana que tanto trabalha para fazer nascer em seus alunos a paixão pela literatura.!!!

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Oi, mãe!

      LIndo, né? Obrigada! Mas tente da próxima vez comentar com seu perfil, sim? kkkkk! Bjks, mãe! Te amo!
      Ah! E Boas Leituras!

      Excluir
  5. Que incrível, Fabi! Fico muito feliz que você tenha levado esse projeto para sua escola e que ele esteja dando esses frutos maravilhosos! Eu adorei o texto da Ana e fiquei aqui apreensiva lendo sem saber o que ia acontecer :O
    Ele me prendeu muito e o final foi maravilhoso! Espero que ela continue escrevendo!

    Beijos,
    www.naestradadafantasia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ma... tô tão orgulhosa!!!! Olha só como uma simples sementinha as vezes dá frutos tão grandes! Parabéns pelo projeto Aperte a tecla!
      Bjks e Boas Leituras!

      Excluir