"Toda memória de um homem é sua literatura particular"

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Coisas que a ciência não explica (parte I)

Olá, povo que lê!

Hoje vim trazer pra vocês uma novelinha de 3 capítulos que escrevi esse ano pra Revista Sintonia, aqui da minha região. A cada postagem minha, vocês lerão um capítulo, pode ser? Espero que gostem, o feedback de vocês aí nos comentários é importante!

Resultado de imagem para gif floresta


 Coisas que a ciência não explica

Era mais uma noite de gravação. Eu e o Mário estávamos a procura de mais um animal noturno para terminarmos aquele set. Precisávamos entregar as imagens na manhã seguinte para serem feitos os cortes e montagens necessárias.
Já estávamos exaustos. A onça havia nos dado uma canseira após ter-nos descoberto. Sorte que todas aquelas árvores tortuosas serviram para nos auxiliar na fuga.
Andávamos cautelosos para não causarmos mais acidentes. A noite estava escura, sem lua e sem estrelas. A lanterna mal clareava um metro a nossa frente.
Dois pontos brilhantes apareceram sobre uma árvore musguenta. Graças a Deus! Havíamos encontrado uma coruja!
Pé ante pé nos aproximamos e começamos a gravar. Eu já começava a fazer a descrição da possível espécie quando a luz começou a mostrar outros pontos brilhantes espalhados pelos galhos... com grandes cabeças largas... não, não eram cabeças, pareciam chapéus... e asas cruzadas sobre os corpos... não havia penas, eram braços...
O que eram aqueles seres?
Arrepios correriam pela minha espinha.
A luz desapareceu.
Quando olhei para trás, Mário já não estava mais comigo.
Ouvi um relincho de fogo vindo de trás das árvores, que fez com que todos aqueles pequenos seres se levantassem sobre os galhos e fixassem seus faróis em minha direção.
Como um animal sendo caçado, fugi para o treiller. Corri como nunca havia corrido antes, sem olhar para trás.
Abri a porta desesperadamente e encontrei Mário sentado, na frente do equipamento, pálido, assistindo à filmagem.
A imagem era de uma dança de vaga-lumes. Sumiram os chapéus, os braços, o relincho de fogo.
Nos olhamos sem palavras.
A tecnologia e a biologia não explica alguns fenômenos. Na manhã seguinte não teríamos material para entregar à emissora.

Continua...

Bjks e Boas leituras!

Fabi

Nenhum comentário:

Postar um comentário