quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Como gostar de Literatura Brasileira - Lu Rabello


Olá, leitores.
O Brasileiro não lê muito os próprios autores, não é mesmo?

Sempre está de olho nos lançamentos gringos, sejam eles Americanos, Europeus e até os do Oriente vem crescendo por essas bandas e no mundo afora também.
E os nossos queridos escritores que não devem nada aos estrangeiros, ficam jogados, relegados a uma possível leitura num futuro que nunca chega.
Para ajudar, alguns livros são exigidos nos vestibulares do país, e ao serem colocados como leituras obrigatórias, viram sinônimos de leituras chatas. Basta um pulo.

O aluno já vem com aquele “ranço” sem nem dar chance a uma boa estória nacional.
Mas digo que você não sabe o que anda perdendo ao ficar só nos best-sellers internacionais.
Literatura Brasileira é bom demais, sô!


E eu, pessoalmente, estou numa vibe literatura nacional. Estou cada vez mais gostando de ler nossos escritores. Até estipulei alguns como meta de 2019. Confira a lista no meu insta @tworeadergirls e me conta se já leu algum deles.

Para acabar com esse preconceito, e te fazer acreditar que estórias brasileiras são sensacionais, a lista a seguir vem trazer livros de autores brasileiros que são imperdíveis.
A lista não tem ordem favorita e nem é composta só de clássicos. É apenas o meu apanhado de boas estórias contadas por brasileiros.

Vamos começar com Anarquistas, graças a Deus.

Essa capa é de derreter o coração mais gelado. Muita fofura.

Quer rir? Se emocionar? Conhecer a São Paulo do inicio do século 20 e a transformação sofrida ao longo das décadas seguintes? Esse livro é perfeito. Zélia Gattai, esposa de Jorge Amado, narra sua infância de forma tão leve, tão singela que parece a leitura de uma carta escrita por um amigo contando as novidades do seu cotidiano. Não espere uma escrita rebuscada, uma estória mirabolante mas nem pense que essa obra não tem seu brilho. Um livro delicioso para se pegar num final de tarde e se deixar envolver pela prosa da Sra. Jorge Amado.

O próximo autor pode assustar quem já passou pelo Ensino Médio. Quem já se deparou com o pedido de um professor para a leitura do livro Iracema, vai sair correndo ao ver qualquer livro do autor José de Alencar. Mas não fuja!

Senhora é uma estória deliciosa. Esqueça índios e caras pálidas. Aqui, Aurélia, a Senhora do título, é uma mulher rica e dona de uma beleza descrita pelo autor de forma tão sublime que nos faz pensar em fadas e anjos. Mas essa bela fachada esconde astúcia e sangue frio.


As mulheres do final do séc. 19 já mostravam sua força.

Aurélia usa de inteligência para se vingar de seu marido “caça-dotes”. Tudo feito sem perder o charme. Não tem como não torcer por ela. Uma estória de amor, atípica, digamos assim.

E se estamos falando de estórias que envolvem mulheres fortes, não se pode esquecer de Da. Lola de Éramos Seis.



Li na adolescência e reli agora há pouco tempo. Dona Lola é mãe de 4 pessoas com personalidades das mais diversas: do filho vadio à filha de personalidade forte passando pelo marido bom mas austero e alcoólatra. O duro que essa mulher tem que dar para salvar a cada um da família e a si é de fazer chorar, de querer entrar na estória para aliviar o peso de seus ombros.
Estória maravilhosa que virou novela do SBT com Irene Ravache no papel da Matriarca. (Não consigo olhar para essa atriz fantástica sem lembrar de Dona Lola)



E o que falar de Machado de Assis e Dom Casmurro?
Tanto já foi dito que nada mais eu poderia acrescentar a estória de amor conturbada de Bentinho e Capitu.
Só posso dizer que se você não leu a obra achando que é chata e cansativa, te digo pra correr e acabar com esse preconceito agora.
É obra de domínio público então nada de desculpas. Bora baixar o livro já e se envolver nessa estória de amor doentio do Bentinho pela Capitolina.
À parte do universo “Capitu traiu Bentinho?” existe uma trama que vai te enredando e quando você perceber estará do lado de um ou de outro. Ou de nenhum?

Agora, falando de um autor que também merece nossa consideração é o mago Paulo Coelho. Sim, não torça o nariz. Antes dos livros de auto ajudar bombar, Paulo Coelho já vinha nos contar estórias que tem seu fundo moral, que nos colocam para cima e que tem uma boa mensagem no final. Na adolescência gostava mais, porém O Alquimista, Diário de um Mago e Brida tem seu valor. Ele lançou livro novo agora mas os antigos são ainda muito bons. Vale a pena dar uma chance.




Aposto que acabei deixando você com vontade de invadir a prateleira brasileira de alguma biblioteca ou livraria, não?!
Corre que dá tempo de algum autor brasileiro ainda virar seu BFF* nas próximas aventuras.

Bjs, siga o Língua e Literatura no insta. 
Lu


*BFF = Best Friends Forever – Melhores Amigos Para Sempre. O meu é o Machado ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário