sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Quais surpresas guarda a tua face?/ por Cristiane Oliveira

Quais surpresas guarda a tua face?
Por Cristiane Oliveira

Você já se deparou com algum livro que você tenha se encantado com a capa e nem tanto com o conteúdo dele?
Ou, de repente, o contrário: pegou aquele livro com a capa já toda surrada, velhinha, nada atraente e se viu envolvido com o enredo?
Quem nunca passou por isso, não é mesmo?
Eu mesma me lembro que, quando criança, me encantei com um mini livro, que tratava de fórmulas usadas em contabilidade, só porque ele tinha a capa “cor de groselha” e era pequenininho.
Lembro de ter carregado aquele livrinho comigo em alguns eventos fora de casa (passeio no parque, idas à feira) porque tinha dó de deixá-lo sozinho... Como se o pequeno livro precisasse de supervisão para não se perder...
Enfim, são coisas que só entende quem já teve um “surto” parecido. Não há explicação.
Hoje, com toda a praticidade de e-books, a missão de tornar um livro palpável atraente ganhou a ajuda de um profissional de grande importância. Refiro-me ao designer tipográfico.
Sim! Aquela pessoa que, além de se interessar pelo conteúdo do livro, também bate aquele papo com os autores para extrair o máximo de ideias para, então, desenhar a capa, o cartão de visita da obra.
Há capas intrigantes como uma edição de 1984, de George Orwell, que só achei tempos depois de já ter lido uma com capa diferente.


Há os que te fazem “viajar”, como uma das capas de O pequeno príncipe, que, literalmente, me fez imaginar como seria sair voando pendurada em pássaros.


Sem esquecer de um que me faz suspirar até hoje só de pensar na possibilidade: A árvore que dava dinheiro. Ahhhhhhhhh! Uma árvore só sua, nos fundos do teu quintal, que te ajudaria a realizar alguns sonhos de forma mais ágil. Rsrsrs


E tem também os casos de terceiros que se envolvem na sua leitura e expressam opinião sobre o livro pela capa e acabam cometendo umas gafes. Siiiiiiim! Isso existiu!
Eu estava em uma padaria, lendo O Harém de Kadafi, enquanto aguardava a chegada de uma amiga.
Estava envolvida no enredo porque lia coisas tão surreais que me hipnotizaram.
O livro tem uma história de abuso e opressão de mulheres que se tornavam “escravas” de Muamar Kadafi.
Kadafi, né, minha gente!? Aquele já falecido ditador da Líbia.
Eis que o garçom traz o meu suco e  diz: “Ah, moça, essa história é linda! Você vai adorar esse livro.”



Gente, como assim? Pensei. Só me lembro de ter dito: “obrigada.”
Era uma capa bonita para um enredo macabro.
Minha próxima reação foi fechar o livro e procurar distração no celular para deixar passar aquele momento turvo. Kkkkk
Ou seja, uma capa, para quem se baseia por ela, pode guardar muitas surpresas.
Só não sabemos se serão felizes ou nebulosas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário