sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Literatura surda - por Cristiane Oliveira


Apesar de serem 10 milhões de brasileiros a terem uma língua própria, os surdos ainda sentem muita dificuldade em se integrarem à sociedade.
Como tudo na vida, aos poucos são feitos avanços positivos que trazem qualidade às vidas de tantos deficientes auditivos.
Em meados de 2016, fui a um salão de beleza em São Caetano do Sul e lá me deparei com um profissional que fazia atendimento em Libras.
No período em que fiquei lá, notei que foram 5 atendimentos!




Ter presenciado aqueles clientes recebendo a atenção devida, sendo compreendidos e tendo o resultado que desejavam, me fez pensar que o contato com a comunidade surda merece muito mais engajamento, pois eles precisam dos mesmos tipos de serviços que nós, pessoas tidas como detentoras de funções plenas. 
A partir daquele dia, comecei a me interessar e querer entender mais sobre essa língua que traz consigo uma expressão corporal tão marcante. 


Fiquei muito feliz em saber que em 2017 o Enem (Exame nacional do ensino médio) contou com prova em vídeo, traduzida para a Libras, de modo a incluir os surdos. Um ganho, certamente.
Venho me munindo de fontes de conhecimento e informação sobre a cultura surda desde a minha experiência no salão do ABC paulista.
Indo mais a fundo em minhas investigações, descobri que há uma  região localizada no sul de Massachusetts, chamada Martha’s Vineyard, conhecida por ser a primeira comunidade desenvolvida para surdos. 
Conforme fui me interessando mais pelo assunto, fui fazendo contatos e amizades com profissionais da área e eis que encontrei um grupo muito legal chamado Libras Avante que se dedica à literatura surda.
Descobri com eles que há um ótimo nicho literário para o público jovem. Muitas obras famosas estão sendo adaptadas para a Libras.
Um deles é Rapunzel surda, um clássico que faz parte da infância de, praticamente, todas as crianças. 



Além da literatura com foco no público infanto-juvenil há outros autores que tive o prazer de descobrir e que tem me preenchido com ricos conhecimentos sobre a comunidade surda.



Se você se interessa por Libras, vale a pena investir um tempo se familiarizando e entendendo um pouco mais dessa língua tão linda. 


2 comentários:

  1. Eu me interesso sim Cris, eu estudei com uma aluna surda e com a intérprete. Imagina essa interação na cozinha é sensacional!
    Parabéns pelo texto bjus!

    ResponderExcluir
  2. Estou procurando me internar cada vez mais sobre o assunto, Leila. Bjs.

    ResponderExcluir