terça-feira, 11 de junho de 2019

É um pássaro? É um avião? Quase! É o gênero épico...| por Cristiane Oliveira


Esses dias eu estava revisando a vida...

Revi fotos de lugares sensacionais por onde passei, pessoas que me deram e ainda me dão alegrias e tantas outras memorabílias de anos luz atrás...

 No meio de pôsteres de pop stars que eu gostava na época (e muitos que, até hoje, ainda gosto), camisetas de bandas, cartas e cartões de amigos, brinquedos super desejados (que, por sinal, levaram certo tempo para serem chamados de “meus” por seus valores elevados e pela falta de recursos para tal fim), eis que acho alguns dos bens mais preciosos de todos... aqueles que, mesmo com o orçamento meio desfavorável, a gente puxa daqui e dali, parcela, pré-data (ainda existe isso? Kkk), mas faz acontecer: os livros.

Em minhas mãos veio parar um dos primeiros exemplares de estudo de literatura com os quais tive contato: Estudos de Língua e Literatura, de Douglas Tufano.



Foi a partir daí que comecei a me interessar mais por literatura e, como forma de reter com mais eficiência tudo o que eu conseguisse ler, passei a buscar mais informação sobre os bastidores de determinados assuntos. Um deles sendo sobre os gêneros literários.

Pensei: Já que eu tenho que estudar análise sintática, deixa eu já botar mais isso aqui no pacote!

E foi a partir daí que comecei a ler tendo em mente o tipo de gênero literário que determinado autor havia escolhido para desenrolar aquela história.

Um dos gêneros que sempre tive mais apego é o épico. Muito disso por se tratar de uma narração (proveniente da palavra grega “epos “).

 E do que se ocupa mesmo o gênero épico dentro da literatura?

Para poder ajudar mais a fixar a linha que segue o gênero épico, pensa naquele seu vô, tios, ou até mesmo seu pai (e nada contra o gênero feminino, mas é que as contações de “causos”, pela minha memória, sempre vieram mais do lado masculino...) Pois bem, pense em um deles, que sempre tem um caso para contar! Cheios de detalhes, datas, nomes e, muitas vezes, essas personagens são sempre munidas de qualidades extraordinárias, super poderes...

Isso te fez lembrar daquelas conversas de pescadores, né? Kkkkk

Tipo: pesquei uma orca de 3 toneladas sozinho, fatiei, limpei e fiz  filezinho de baleia para todo mundo degustar no jantar...

Ou seja, o gênero épico é salpicado com a presença de forças sobrenaturais, combates físicos, tudo sempre bem majestoso.

Resumindo, personagens da literatura épica são “zica”! Não tem para ninguém! São os reis da galáxia! Kkkkk

Sabe aquele monte de obra literária medieval, regado com gregos, germânicos e escandinavos? Pois é... Épico!

Um grandioso exemplo é A Divina Comédia, de Dante Alighieri.



É denso, recheado de presenças de manifestações políticas, história, geografia, filosofia, astronomia, mitologia e é escrito em poesia, o que torna tudo bem mais desafiador.

Portanto, segure-se! Força na peruca e muita coragem!

Com foco e, no início, tempo, valerá muito a pena. Principalmente se você ler com notas explicativas e textos de introdução.



Boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário