terça-feira, 27 de agosto de 2019

Os 8 odiados (da minha literatura) - Lu Rabello



Todo leitor tem um tipo de estória que aprecia mais, seja romance, drama, suspense. E tem também os que não gostam de determinado gênero.
Já eu, tenho uma certa encrenca com alguns autores. Autores renomados que não tenho a menor vontade de ler.

Costumamos sempre falar sobre os nossos autores mais queridos, mas nunca ouvi ninguém falar a respeito de autores que não tem vontade de ler (talvez, seja só eu mesmo). Sabe, autores muito conhecidos, que você vê um livro e fala: “Ah, não tenho a menor disposição pra ler isso”?

Dessa vez, a biblioteca, um passeio sempre tão agradável para mim, se tornou uma busca pelos meus “desafetos”
Vem acompanhar os meus 8 escolhidos:




Roberto Bolaño
Não, não é o Chaves. Apesar do nome idêntico, Bolaño foi um autor chileno que tem entre seus livros mais conhecidos, o famoso 2666.




Marcel Proust
Autor de Em busca do tempo perdido. Escreveu mais algumas obras mas nenhuma com destaque como essa série.




Honoré de Balzac
Seu trabalho mais conhecido é A Comédia Humana (não confundir com A Divina Comédia de Dante Alighieri – que também não irei me aventurar). Pra não dizer que não li nada dele, li A mulher de 30 anos que foi uma mega decepção. Sendo assim, já paro por aqui mesmo pois tem mais de 80 livros que fazem parte da Comédia Humana que não farão eu perder meu precioso tempo.


Muito livro pra pouca coragem


Gustave Flaubert
Pra esse, também dei uma chance, afinal Madame Bovary é um clássicão. Mas achei Emma Bovary um tanto quanto sonsa e o livro não acabava (apesar de pequeno). Tá, eu sei que ele quis retratar uma mulher liberal para aquela época mas não me conquistou.
Não gostei e não leria mais nada até que em um grupo literário surgiu a indicação de um livro não muito conhecido dele chamado Um Coração Singelo e me bateu a vontade de lê-lo. Veja a sinopse:

Um coração singelo gira em torno de Felicidade, uma mulher que, dotada dos mais puros, inocentes e singelos sentimentos, teve a mais infeliz das existências. A trama narra uma vida de dedicação, bondade e vocação para cuidar do próximo no estilo impecável de Gustave Flaubert

(será que meu coração está amolecendo no meio da lista? Não! Seguimos com o próximo






Mario Vargas Llosa
Tem uma vasta lista de obras muito conhecidas, entre elas, Tia Julia e o Escrevinhador e Pantaleão e as Visitadoras.





Outlander
Ok, sei que esse é o nome do livro, não do autor, mas após assistir ao primeiro episódio na Netflix, quase morri de tanto tédio. Nem quero saber mais nada desse livro/série.
Lembrei, o nome da pessoa que escreveu isso é Diana (ou Daiana) Gabaldon...





Mas só tem autores estrangeiros que você não gosta, Lu?

Não.
Tenho desafetos nacionais também como:

Jô Soares.

Não, não tenho a menor vontade de ler nada desse entrevistador. Tudo bem que ele é inteligente, o programa era até bacana, mas é o suficiente para mim.






Hilda Hilst
Muito antes de haver 50 tons de cinza, a autora já se aventurava com o erotismo literário. No Brasil, ainda por cima.





Antes que me ataquem pedras, vejam que não desmereço a obra de nenhum desses acima.
E nem tenho muito o que dizer de cada um, afinal….não os li.
Aí você pode me perguntar: porque essa “birra”? Como você pode criticar algo sem ter lido? Não sei. Fora, Flaubert e Balzac que li e realmente não aproveitei a leitura, os demais, não me “chamam”, sabe? Não atraem a minha curiosidade. Por isso mesmo não falei mal, apenas que não me atraem.
Não sou do tipo que lê livros “cult” pra pagar de inteligente, nem livros contemporâneos para dizer que estou sempre muito antenada com novos autores.
Sou a favor de ler o que me dá prazer, seja um romanção agua com açúcar, um drama histórico ou até mesmo um chick-lit.
Esse mundão tá cheio de livros esperando sua vez de serem lidos e por isso mesmo é que a gente tem que ler o que der vontade.
E vocês, tem algum autor que não o interessa nem um pouquinho? Me conta!
Bjs e até mais
Lu

Siga-nos no Instagram

@tworeadergirls

@fabipsanchez78

@cristianeolis78

@culinariaehorta

@leilabookcook 


5 comentários:

  1. Lu, se eu te contar os autores e livros que não me aventuro...Mas Outlander eu comecei a ler e gostei, parei pois soube q é uma série de livros enorme e queria ter tempo caso eu goste.
    No caso do Jô Soares, nem li e nem lerei🤣
    Amei o post!!!

    ResponderExcluir
  2. Me fala depois, Leila! Quero saber. Outlander....mesmo que eu tivesse gostado, acho que não leria pelo mesmo motivo: Não tem fim rsrs

    ResponderExcluir
  3. Difícil escrever sobre o que não gostamos, né? Outlander quero ler, mas os demais, tô contigo e não abro mão. A vida é muita curta para nos determos à leituras chatas! kkkk

    ResponderExcluir
  4. Lu, realmente ter que ler ou escrever sobre coisas que não gostamos é como viver com uma bola de aço atada ao calcanhar: um fardo.
    Eu já li Paulo Coelho, por exemplo, e só fui até o fim para ter certeza de que aquele tipo de literatura não é para mim, pois além de não me agregar nada, não me fazia ter prazer em caminhar com a leitura. Enfim, foi um fardo. E eu sou daquela opinião que se a leitura não for por prazer, não for agregar novos conhecimentos, não vale a pena mesmo!
    Eu, por exemplo, li It, Stephen King, em inglês. Leria hoje em dia mesmo se fosse em inglês? Talvez, por causa do fator “estar em outro idioma.” Leria em português? Jamais.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir