sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Um mês de homenagens a Machado de Assis

Há 111 anos, Machado de Assis nos deixava.

29 de Setembro de 1908 foi o dia em que esse importante escritor, jornalista, teatrólogo, crítico de teatro e de literatura, fundador da Academia Brasileira de Letras e incansável produtor de obras literárias partiu da vida terrena para entrar para a história da literatura brasileira.







Nascido em uma chácara no bairro do Livramento no Rio de Janeiro, no dia 21 de junho de 1839, lá passou sua infância e adolescência. 

Era filho de Francisco José de Assis, um pintor de paredes, e da imigrante açoriana Maria Leopoldina.

Ainda menino, perdeu sua mãe e a única irmã. Seu pai se casou novamente e Machado foi criado por sua madrasta, Maria Inês.

Fez seus primeiros estudos em uma escola pública de São Cristóvão. 
Tinha 12 anos quando perdeu seu pai. Teve que começar a trabalhar cedo e para ajudar nas despesas da casa vendeu balas e doces.
Interessou-se pelo estudo de línguas e aprendeu francês e inglês.

Em busca de um emprego, com 15 anos entrou como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Nacional, sob a direção do escritor Manuel Antônio de Almeida, que o encorajou a escrever e a partir daí, em idade precoce, deu-se início a sua jornada de excelentes obras que ajudaram a colocar a literatura brasileira em seu lugar de destaque.

E para prestarmos uma respeitável homenagem, nós quatro, colunistas do Língua e Literatura, iremos dedicar nossas postagens do mês de Outubro a esse escritor completo, que conseguiu, por unanimidade, unir pessoas com gostos distintos em torno de suas obras. 

Seja o seu gosto o romantismo ou o realismo, dois gêneros pelos quais transitou nosso querido escritor, é quase certo que você achará algo de Machado de Assis que te faça ter satisfação em ler e refletir.

Acompanhe no próximo mês, todas as semanas, uma postagem nova sobre esse gênio da nossa literatura.


Siga-nos no Instagram

@tworeadergirls

@fabipsanchez78

@cristianeolis78

@culinariaehorta


@leilabookcook 

2 comentários:

  1. Quem dera pessoas geniais como Machado pudessem ter seus clones póstumos.

    ResponderExcluir
  2. Esse mês vai ser lindo com tanto Machado no blog!!!

    ResponderExcluir