quinta-feira, 16 de abril de 2020

A literatura que fala- por Cristiane Oliveira


Hoje é dia de falar de algo que nos torna comunicadores completos e dinâmicos.

É aquela coisa que pode ser agradável em uns, desagradável em outros. 
Pode mudar com o tempo, dependendo de muitas variáveis e, além de ser marca registrada de muita gente famosa, é o ganha-pão de muitos.
Você sabe que dia é hoje?



Hoje é o dia mundial da voz!

Isso mesmo!
A voz é uma marca registrada dos indivíduos e é ela que enquadra uma boa parcela da população na categoria de comunicadores completos.
Sim! Se você é capaz de ler, escrever, ouvir e falar, é detentor de uma comunicação plena.



Há um tempo atrás, falei sobre a literatura surda. Aqui está o link, caso você não tenha acompanhado o post:



Falaremos da importância da voz na literatura, como ela tem contribuído na dinâmica da vida daqueles que se dividem entre o ler e o escutar um livro.


Vai ser bem interessante e espero que você aprenda muito com o que irá acompanhar hoje.


Em meus anos de estudos, lá no hoje entitulado “fundamental II”, um dos recursos que me ajudavam a treinar a leitura e pronúncia das palavras era, justamente, a voz.




Aprendi com uma professora da 3a série que o melhor para se guardar o que era estudado era ler em voz alta.
E não é que ela tinha razão?
Engraçado é que carrego esse vício comigo até hoje.
Já me peguei encrencada com algumas leituras mais técnicas e tive que parar, “rebobinar a fita” e começar tudo de novo, porém em voz alta.
Eu posso dizer que em 90% dos casos, a leitura em voz alta me ajudou a desfazer o nó que a leitura solitária e em silêncio não foi capaz de alcançar.


Eu já tive o privilégio de fazer um mini-curso, mas muito frutífero, com o melhor mestre em oratória do Brasil: Reinaldo Polito.








A primeira vez que achei um pocket-book do Polito foi em uma ocasião em que uma grande livraria estava fazendo um saldão.
Vi aquele livrinho pequenininho, com aquela capa alegre e que me fez lembrar dos livrinhos da infância. Comecei a ler a contra-capa, depois fui para a apresentação e pensei: vou levar! Se não for bom, pelo menos tempo eu não vou gastar porque é bem sucinto.




Ah, e o detalhe que me chamou a atenção era que o livro estava escrito em inglês!!!
Sei que não quer dizer muita coisa porque a gente já viu cada coisa não muito proveitosa sendo editada em tantas línguas, não é mesmo?





Enfim, peguei o livrinho junto com mais alguns outros e tomei o rumo de casa.
Não demorou muito para eu começar a leitura e chegar à conclusão de que sem uma boa oratória e desenvoltura para usar a sua voz, o seu conhecimento pode ficar encubado e você acabar perdendo muitas oportunidades. 


Parece óbvio, não é?
Porém, a minha curiosidade em saber como esse escritor e mestre em oratória fazia tudo aquilo acontecer assim, como mágica, me levou até o seu centro de preparação, situado no bairro da Vila Monumento, em São Paulo, num sábado de feriado prolongado e com o sol brilhando em um céu de brigadeiro.


Pensei: “Cristiane, só você mesma para se abalar até aqui em um baita dia como esse… Afffff.” 


Olha, valeu muito a pena!
As dicas que eu absorvi naquele dia foram ótimas. 
Alguns dos exercícios eu uso até hoje. 
Sei que ele tem muito mais a oferecer sendo o profissional que é, mas, já vou logo informando que o curso completo, na real, sai por um valor  beeeeem “marotinho.” Kkk
Mas eu, como pessoa que sei o quanto um bom profissional precisa estudar, se dedicar e se comprometer com o resultado final de tudo o que faz, acho que vale muito a pena o investimento em todos os sentidos.
Eu, à época, não pude me comprometer com o macro, mas me posicionei no micro e tirei dele muitas coisas boas e que me ajudam até hoje.




Uma das técnicas ensinadas mostra, justamente, a impostação da voz no momento da leitura, principalmente para pessoas que lidam diretamente com grandes grupos.


Sei que vai soar chocante, até mesmo pelos registros que já tivemos a oportunidade de ver, mas Adolf Hitler fez excelente uso de sua voz para disseminar ideias e persuadir pessoas.
O resultado final foi um desastre, mas,  em uma análise fria, como comunicador que se utilizou da voz, ele passou a sua mensagem de forma dinâmica e, até a segunda página, de forma eficiente.


Leitura na infância e o uso da voz


Pensando no que mais me despertou para o gosto pela leitura quando pequena, me lembro de adorar escutar a minha mãe lendo gibis da turma da Luluzinha para mim.
Ela era uma ótima contadora de história: fazia vozes diferentes e tudo.




Eu ainda acho que a melhor forma de despertar a curiosidade e o interesse pela leitura em uma criança é lendo em voz alta para ela. Lendo e apontando para as figuras, usando fantoches como elementos de interação também ajudam a não só envolvê-las como a memorizar palavras, pronúncias e até mesmo a escrita, para os que já começaram a ser alfabetizados.




E sendo a voz a homenageada do dia, há certas vozes que marcam, não é?
Tantas pessoas que só de ouvirmos o primeiro  timbre já sabemos identificá-las.
Tenho algumas vozes que adoro escutar: Tom Hanks, Morgan Freeman, Silvio Santos, Bill Gates, Barack Obama, Sofia Vergara (e, no caso dela, acho que é até mais pelo sotaque), a saudosa Hebe Camargo, Cid Moreira.


E há também as que me irritam: Araci, da Top Therm, Nelson Rubens (aquela vibração de língua dele na letra “r” é de chorar...), Walter Mercado... kkk


Agora me diz: você gosta de se escutar?
Já usou da técnica da leitura em voz alta para tirar mais proveito do seu potencial?


Olha, é um exercício ótimo. 
E se você for como eu, vai começar a conversar sozinho até no metrô lotado. Kkk


Para ganhar tempo (seja dentro do metrô lotado ou em engarrafamentos), muita gente tem optado por audio-books. 


Tenho uma leve impressão de que foi Cid Moreira quem deu início, no Brasil, à popularização dos audiobooks quando fez a narração da Bíblia Sagrada:




Você já escutou algum? Como foi a experiência?
Compartilha aqui com a gente.
Tem alguma voz que você gostaria de ver narrando algum livro que você goste?
Eu já tenho uma das minhas vozes prediletas narrando o Rei Leão:




E se você tem curiosidade de conhecer os donos de algumas vozes famosas, dá uma conferida:




Se você gosta de ler e tem uma voz de veludo, com boa dicção, pode ser que você tenha requisitos para fazer dessas habilidades uma forma de ganhar a vida.


Boa sorte, mantenha suas leituras e sua voz em dia!


Cris 


Siga-nos no Instagram

@fabipsanchez78

@tworeadergirls

@cristianeolis78

@culinariaehorta

@leilabookcook 




Nenhum comentário:

Postar um comentário