segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Desafio de Escrita Criativa "A ponte" - pr Fabi Sanchez

 Olá, pessoal!


O tema desta semana é: inspire-se em uma obra de arte.

Bom, fui beber da fonte do impressionismo Francês, do meu queridíssimo Monet e sua ponte japonesa, pintada em diversos momentos de sua vida, com varias visões e diferentes épocas. Tentei fazer um texto impressionista também, inspirada no simbolismo, mas acho que passei bastante longe da intenção inicial pelo fato de que não consegui poetizar, fiz algo em forma de diário, bastante fragmentado, enfim, ficou uma misturada danada, parece mesmo um monte de pincelada sem sentido. Espero que você, leitor, aí de longe, consiga compreender algo!

Boa leitura!


A ponte

1892 (13 anos)

Adoro os fins de tarde!
As ninfeias colorem todo o jardim e animam o ar trazendo a primavera para dentro de mim. 
Sinto-me como fada ao balançar meu vestido como as borboletas ao meu redor.
É tudo tão lindo!
Sem nem pensar, saltito as tábuas da ponte chegando ao outro lado do jardim.

----------xxxxxxxxxx----------



1899 (20 anos)

Já estou em minha terceira temporada. 
Acho que nunca me apaixonarei.
Todos os homens parecem fúteis e tolos. Se interessam por seios fartos e cinturas afiladas.
Não tenho curvas, quem se importa? Mamãe diz que ainda estou verde, mas que logo irei florescer.
Ninféias, floresçam-me!

----------xxxxxxxxxx----------


1900 (21 anos)

Deixo que ele me guie pelo braço.
É a primavera mais linda que já vi!
No meio da ponte ele se ajoelha.
Meu coração explode em ninféias despetaladas perfumando o ar de amor.

----------xxxxxxxxxx----------


1906 (27 anos)
Eu o amo tanto!
Caminhamos por aqui tantas vezes... após perdermos nosso filhinho... ele sabe que as ninfeias me acalmam.
Ele sempre veio comigo. Estou segura com ele. 
Mas hoje estou só.

----------xxxxxxxxx----------




1918 - 1924 (39 a 45 anos)

O filho que nunca tive, ele buscou-o em outra. Um bastardo. Em minha casa.
Ninfeias levem-me para o profundo raso deste lago, que é meu amigo, me tome como sua amante eterna, derretida em lágrimas salgadas, alagerei os brotos de primaveras a fio.

----------xxxxxxxxxx----------


1924 (45 anos)
Morto.
Morro.
O que sou eu sem ele agora? O que me restou? 
Tudo aqui é tão lindo... esta ponte, estas flores ninfas borboleteando ao meu redor, me levando ao paraíso sem ele. 
Que eu não o encontre nunca mais em minha loucura.


Espero que tenham gostado!
Bjks e até semana que vem!










Nenhum comentário:

Postar um comentário